13 de out de 2010

Vencendo Os Gigantes



Sentada no banco da praça, onde passei maior parte da minha infância
Estava pensando no valor da vida, e que realmente ela passa muito rápido.
Naquela mesma praça a uns anos atrás eu corria, brincava, caia ralava o joelho, e voltava a brincar. Hoje sentada aqui neste mesmo cenário, meus pensamentos são outros, são pensamentos maduros, pensamentos de quem se preocupa com a vida, diferente dos pensamentos de antes, que eram pensamentos inocêntes, se eu ganhasse o maior algodão doce eu já estava feliz. Mas hoje não, hoje eu preciso de mais pra ser feliz, ou pelo menos pra tentar ser, eu preciso não só provar o doce, como também preciso provar o amargo da vida, antes o ralado no joelho não era nada, lavava e voltava pro balanço e continuava a brincadeira; já hoje as feridas não são tão simples como um joelho ralado, são feridas da alma, e não tem água que limpe essas feridas. Muita das vezes nem mesmo o tempo é suficiente para cura-lás.Bom era naquele tempo que nada me abalava, a não ser os bate-bolas no carnaval, fora eles nada tirava minha paz, hoje os monstros são bem maiores, existe o monstro da solidão, da dor, da carência, da mágoa. São monstros que aos poucos vão te consumindo a alma, e quando você percebe já tomaram conta de você, e que se você não se levantar, não arriscar, não sonhar, não ir a luta, eles te derrotam, você acaba uma pessoa frustrada, sem sonhos, sem amor pela vida, sem amor pelo próximo, sem amor por sí, sem amor por absolutamente nada, ou seja, você deixa de viver e passa apenas a existir.

                                                          Jennifer Carvalho


[ Os dias correm, somem e com o tempo não vão voltar, só há uma chance pra viver, não perca a força e o sonho, não deixe nunca de acreditar que tudo vai acontecer ]                                                 Chance -  Rosa de Saron

6 Blá, Blá, Blá:

SALOMÃO..Textos e afins.! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SALOMÃO..Textos e afins.! disse...

Diante dessas palavras, as minhas se tornam ínfimas, somente consigo dizer que é a perfeita expressão do que vivemos hoje. Não mais podemos ser crianças quando queremos,a vida, o meio em que vivemos nos faz crescer, perder a inocência...e com ela grandes felicidades da vida!

"Viver e não ter as vergonha de ser feliz,cantar, cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz..eu sei que a vida devia ser bem melhor.. e será, mass isso não impede que eu repita...é bonita é bonita é bonita!"

É só querermos fazer da vida um eterno "carnaval", rir de besteiras, falar bobagens..simplesmente olhar para o céu e respirar fundo..dar um bom dia ao que não conhecemos...tudo isso pode nos fazer felizes mesmo diante desse "mundo normal"!

Jackeline Licá disse...

Tô confortável aqui :)

Carla disse...

Ola Jennifer, passei para ler seu blog. Vc já comentou no meu e seu comentário me chamou atenção, o texto era "Serve para você?".
Achei seu texto ótimo, eu já me senti assim.
A vida é cheia de curvas e não sabemos muitas vezes que tipos de curvas teremos pela frente. Algumas vezes é preciso desacelerar um pouco, para que não venhamos a cair no abismo.
Outras vezes em estradas mais retas podemos ver o que nos espera e já chegamos preparados. Mas na maioria das vezes surpresas boas ou ruins nos esperam.
O mais importante e o que é mais difícil também é manter-se equilibrado. Pois as tristezas dos dias mais árduos custam a passar.
Mas veja, somos merecedores de dias melhores.
Com certeza, nossos dias não serão somente sentados na praça, se for para pensar no que passou, ter vontade de chorar. Mesmo assim, tudo faz parte do nosso crescimento. Tudo é necessário para chegarmos ao amadurecimento de nossas idéias, descisões, desejos, vontades, sonhos...
parabéns pelo blog.
bjsssssssssssssssss

Jhenny Carvalho disse...

Ah obrigada Carla, é eu gosto muito do seu blog.
Seus textos mexem com as emoções e com a inteligência também.

Obg pela visita!

Beijo Grande :)

Jhenny Carvalho disse...

Que bom Jackeline :)